Distúrbios do sono

Distúrbios do sono são condições que afetam a qualidade e o padrão normal de sono, e podem incluir problemas de iniciar e manter o sono, sonolência excessiva, transtorno do ciclo vigília-sono, e outros distúrbios associados ao sono, fases do sono ou despertar parcial. Nesse texto vamos tratar um pouco sobre os mais comumente observados.

Insônia
A insônia é popularmente mais conhecida pela dificuldade de iniciar o sono, mas também pode ocorrer quando a pessoa acorda durante a noite e tem problemas para voltar a dormir, trazendo consequências negativas para o dia seguinte. Indivíduos com insônia muitas vezes se queixam de sono não reparador e cansaço durante o dia. 

A insônia pode ser causada por diversos fatores, como condições de saúde, transtornos psiquiátricos, maus hábitos de sono, uso de substâncias ou fatores genéticos. A insônia primária (que não é causada por uma condição física ou mental e nem uso de substâncias) é observada com mais frequência em mulheres e pode ser decorrente de uma resposta exacerbada ao estresse, como perdas, dificuldade financeira, doenças, trabalho, entre outros. Já a insônia secundária pode ser causada por medicações, transtornos psiquiátricos como depressão e ansiedade, ou também por dificuldades respiratórias e doenças que causam dores. 

Para tratar a insônia de cada um, o importante é descobrir o que está causando a dificuldade de dormir. Mudar certos comportamentos durante a noite já podem melhorar a condição e a prescrição de medicamentos que ajudam a iniciar o sono só é feita se houver necessidade. 

Apneia 

É um distúrbio em que a respiração é interrompida durante o sono, o que pode levar à queda de oxigênio no sangue e causar despertares noturno. Um dos sintomas mais frequentes é o ronco alto com paradas respiratórias, que muitas vezes é percebido pelas pessoas que convivem com o indivíduo que sofre de apneia. 

O tipo mais comum é a apneia obstrutiva do sono, em que as pausas respiratórias duram mais que 10 segundos. Ela ocorre quando os músculos da garganta não conseguem manter a via aérea aberta, mesmo com esforços para respirar durante o sono. Isso pode ser causado por fatores anatômicos e genéticos, mas idade, sobrepeso, uso de álcool e o hábito de fumar também podem piorar o problema. 

O tratamento pode ser feito através de correção cirúrgica, se a alteração anatômica for mais localizada, mas geralmente há recomendação do uso de um aparelho que faz uma pressão de ar positiva e contínua nas vias aéreas.

Bruxismo

Em alguns casos, esse distúrbio também é percebido pelas pessoas que convivem com quem sofre de bruxismo, devido aos sons de ranger de dentes ou mastigação durante o sono. Mas na maioria das vezes é detectado pelo dentista, pois pode causar desgaste nos dentes e danos na gengiva. Outros sintomas podem ser dor facial e dores de cabeça, zumbido no ouvido e estalos ao abrir e fechar a boca, causados pelo esforço dos músculos mastigatórios.

As causas ainda não são conhecidas, mas há ligações com situações de ansiedade, estresse, fadiga, uso de álcool, uso de certas medicações e problemas de fechamento inadequado da boca. 

Como não se sabe exatamente as causas do bruxismo, ainda não há tratamento totalmente eficaz. O mais recomendado é a utilização de uma placa acrílica ao dormir. Ela é moldada para cada paciente e restringe os movimentos mastigatórios, além de proteger os dentes de desgaste.

Sonambulismo

Você já deve ter visto ou ouvido falar de alguém que andou pela casa dormindo ou conversou durante o sono. O sonambulismo não é tão incomum e geralmente ocorre em crianças. Além de andar, o sonâmbulo pode falar, sentar, trocar de roupa, ir ao banheiro e executar diversas ações, mas os indivíduos se lembram pouco ou nada do que fizeram enquanto dormiam.

As causas ainda são desconhecidas, mas pode haver fatores genéticos relacionados. Alguns medicamentos também podem desencadear esses episódios.

Normalmente o tratamento não é necessário, já que na maioria dos casos o sonambulismo desaparece conforme a criança cresce. Apenas se os episódios forem frequentes e oferecerem risco ao indivíduo, alguns medicamentos podem ser indicados pelo médico. Em geral, são tomadas apenas algumas medidas de segurança para que não ocorra nenhum acidente. Embora exista o mito de que não se deve acordar um sonâmbulo, não há nenhum risco, a pessoa pode só acordar desorientada e por isso, devemos conduzi-la calmamente de volta à cama. 

Síndrome das pernas inquietas

Pessoas com esse distúrbio sentem uma necessidade extrema de movimentar as pernas, pois alivia sensações desagradáveis de dor, formigamento e pontadas. Essa inquietação ocorre principalmente em momentos de repouso. Como os sintomas pioram à noite, o indivíduo tem dificuldade de dormir e também pode ter breve despertares durante o sono. 

 As causas ainda não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que há fatores genéticos envolvidos. Outras condições como varizes, deficiência de ferro, gravidez e estresse podem estar relacionados ao desenvolvimento de movimentos involuntários que são característicos dessa síndrome.

O tratamento é feito através de medicação e o diagnóstico requer o exame de polissonografia, que mede diversas atividades fisiológicas durante o sono.