A Neurociência do Storytelling

Publicado originalmente em: worldfullofbliss.com

As histórias têm o poder de mudar nosso cérebro. Descubra como isso ocorre lendo o texto.

As histórias têm mais poderes do que imaginamos. Elas podem gerar ideias, despertar sentimentos de admiração, fascínio, inspiração. Ou podem nos fazer pular da cadeira de surpresa ou terror. 

Já faz um tempo que a neurociência vem desvendando o mecanismo do storytelling. Um artigo publicado em 2019 no Journal of Neuroscience por Susana Martinez-Conde e seus colaboradores relatou que as histórias afetam nossa constituição física e mental em muitos níveis diferentes. Desde conectar partes diferentes do cérebro até desencadear a liberação de neurotransmissores específicos. As histórias causam uma mudança real em nossos pensamentos, sentimentos e, muitas vezes, em nossas ações.

As histórias vão além dos livros, filmes, reportagens ou apresentações teatrais. Eles também incluem as histórias que as empresas contam através de suas marcas, bem como as histórias que contamos a nós mesmos sobre quem somos, como indivíduos e como um coletivo.

Antes de mergulhar na ciência do cérebro por trás das histórias, vamos examinar a razão evolutiva pela qual elas são uma parte integrante da história humana.

 

A importância das histórias para a humanidade

As histórias têm sido uma forma de transmitirmos sabedoria ao longo dos milênios. Imagine nossos ancestrais na Idade da Pedra sentados ao redor de uma fogueira. O grupo de homens que acabou de voltar de sua caça diária ao jantar está contando com entusiasmo a história sobre como encontraram uma hiena. Por meio de sua experiência, esse grupo de homens pode usar sua história para ajudar a aconselhar outras pessoas sobre como não ser comido por uma hiena.

Estamos biologicamente programados para ajudar uns aos outros. A sobrevivência de nossa espécie depende de nossa capacidade de cooperar, evitar o perigo e aproveitar as oportunidades. Compartilhar sabedoria utilizando as histórias é uma das maneiras pelas quais podemos fazer as três coisas. Os laços da humanidade ficam mais fortes graças à empatia que as histórias criam.

“Uma vida torna-se significativa quando alguém se vê como um ator dentro do contexto da história.”  – George Howard

Juntos, ajudamos nossa espécie a continuar evoluindo à medida que construímos sobre o conhecimento que os que já partiram deixaram para nós. Ficamos mais sábios sem ter que cometer os mesmos erros que os outros cometeram.

Do ponto de vista biológico, as histórias nos comovem de três maneiras principais:

  • Nos ajudam a nos relacionarmos uns com os outros;
  • Realizamos mais conexões entre partes diferentes do cérebro;
  • Nos ajudam a lembrar e integrar o que aprendemos

 

Como as histórias afetam o cérebro

A seguir, um resumo de algumas das principais descobertas sobre o efeito das histórias na constituição e funcionamento do nosso cérebro.

 

1. Ligando a ocitocina aos neurônios espelho

As histórias nos ajudam a melhorar a conexão uns com os outros. Eles podem aumentar nossa empatia e muitas vezes ajudam a reforçar nossos ideais mais elevados, como compaixão e bondade.


Deixe a ocitocina fluir 

À medida que nos conectamos com os personagens de uma história, nosso cérebro libera ocitocina , geralmente conhecida como o hormônio da “conexão” ou do “amor”. Isso nos faz sentir próximos dos personagens, embora possamos não ter nenhum contato físico ou pessoal com eles.
De acordo com Paul Zak, da Claremont Graduate University, a quantidade de ocitocina liberada pelo cérebro pode até mostrar se as pessoas estarão dispostas a doar dinheiro para uma causa associada a uma história.

 

Os neurônios-espelho 

Os neurônios-espelho são ativados quando observamos outra pessoa realizar uma ação ou passar por uma emoção. Inconscientemente, nós reproduzimos essas ações ou emoções. Quando vemos nosso personagem favorito lutando por sua vida na tela do cinema, sentimos o medo e a ansiedade como se estivéssemos sendo atacados. Isso ocorre porque os sentimentos da personagem refletem no espelho de nossa própria fiação neural. As ações e emoções dos personagens são literalmente mapeadas nas representações sensoriais de nosso cérebro.

Um conceito relacionado aos neurônios-espelho é o acoplamento neural . O trabalho do Dr. Uri Hasson mostrou que o cérebro da pessoa que conta uma história realmente se sincroniza com o do ouvinte.

Ao construir esse senso de conexão com os personagens, muitas vezes não sabemos onde nossos sentimentos terminam e onde começam os sentimentos deles. Isso pode nos ajudar a nos sentir mais conectados e menos solitários, pois percebemos que somos todos seres humanos que vivenciam uma ampla gama de emoções.

 

2. Lembrando o que aprendemos: olá emoções!

Histórias eficazes nos fazem sentir emoções. As emoções aumentam nossa capacidade de memorizar experiências e, assim, ajudam a melhorar o processamento de informações. As histórias facilitam o armazenamento dos dados no nosso cérebro para recuperação posterior.

As emoções são um sinal para o cérebro de que o que estamos experimentando é importante. Como resultado, o cérebro presta muito mais atenção e armazena as informações carregadas de emoção em partes mais profundas, como o cerebelo. Quanto mais nos relacionamos com uma narrativa, mais provavelmente seremos capazes de lembrar as informações apresentadas em uma história. De acordo com artigo publicado em 2019 pela equipe do  pesquisador  Brandon S. Morris, o conteúdo emocional das histórias aumenta as chances de agirmos com base nas informações compartilhadas.

“As histórias são ajudantes da memória, manuais de instrução e bússolas morais.” – Aleks Krotoski

Criando uma história eficaz

Se você deseja que sua história, seja pessoal ou comercial, cause um impacto nas pessoas, aqui estão algumas coisas para ter em mente:

 

Capture a atenção através do conflito ou da tensão

A atenção é o recurso mais precioso do cérebro. Para que o cérebro gaste mais energia para receber novos dados, deve haver uma boa contrapartida. É provável que uma história que cria tensão chame a atenção à medida que nosso cérebro vê a possibilidade de aprender algo que poderia nos ajudar a evitar uma ameaça ou aproveitar uma oportunidade.

 

Em marketing, muitas vezes existe uma linha tênue entre causar estresse desnecessário e chamar a atenção para um problema que um produto ou serviço poderia ajudar a resolver. Na narrativa, é a capacidade de relacionar o problema do personagem com o nosso que nos deixe excitados e nos atrai.


Colocando-se no lugar do outro

Para criar empatia e um senso de conexão, pense em como seus leitores/ouvintes/espectadores serão capazes de se relacionar com sua história. Quais são seus maiores desejos e medos? Conte sua história para as pessoas que você mais deseja ajudar ou entreter. Pense nas histórias ou marcas pelas quais você mais se sente atraído. Provavelmente, eles são aqueles em que você mais pode se ver.

Apresente sua história em um formato em que seu público-alvo seja o herói e você é o “guia” que os ajuda a superar por um problema – como se fosse um Mestre Yoda pessoal.

Se você for bem-sucedido com essas duas primeiras estratégias, ajudará seu público a vivenciar um fenômeno chamado “transporte”. É aqui que entramos na terra da história, graças a um coquetel de cortisol que intensificou a nossa atenção e a ocitocina que veio através do nosso senso de conexão compartilhada.

 

Um jeito novo de propor uma solução

A novidade aprimora a memória das informações. Como o cérebro precisa prestar mais atenção para reter novas informações, é mais provável que se lembre de dados apresentados de uma maneira nova, ao invés da mesma coisa de sempre.

Os elementos subjacentes a todas as histórias são quase idênticos. O que diferencia uma história é a novidade do conteúdo ou a forma como o conteúdo está estruturado. Para ajudar seu público a lembrar ou agir de acordo com sua mensagem, apresente-a de uma forma nova e única.

 

Cuidado com suas histórias internas

Muitas vezes, grandes histórias nos dão o poder de mudar nossas vidas para melhor. Outras histórias fazem com que permaneçamos iguais ou, pior, nos impedem de alcançar todo o nosso potencial.

As histórias mais enfraquecedoras costumam ser aquelas que contamos a nós mesmos.

Quando permitimos que nossa mente se concentre em uma história limitante (como “Não sou bom o suficiente” ou “Nunca serei capaz de fazer isso”), acionamos a mesma cascata de hormônios de estresse como se estivéssemos sendo perseguidos por um tigre. Criamos nossos próprios pesadelos por meio das histórias que contamos a nós mesmos sobre o que pode acontecer.

“A pergunta mais importante que qualquer pessoa pode fazer é: que mito estou vivendo?”  – Carl Jung

Como humanidade, as histórias em que acreditamos sobre nós mesmos determinam como tratamos uns aos outros. Enquanto acreditarmos na ideia de que não somos todos parte da mesma família humana, mas apenas parte de um certo “grupo”, agiremos de acordo com essa narrativa.

Quanto mais pudermos compreender e acreditar em nossa interconexão e interdependência mútua, mais trataremos a nós mesmos e aos outros com maior senso de compaixão. Que história estamos contando sobre a humanidade ao longo de nossas vidas?


Fonte: https://www.worldfullofbliss.com/post/the-neuroscience-of-story-how-stories-change-our-brains