Como cada Eneatipo lida com a crise

Publicado originalmente em truity.com

 

Quando você está em uma situação desafiadora ou as coisas não correm como o desejado, como você reage? Você sente frustração e fica na defensiva ou prefere se isolar? Talvez você ignore as suas emoções e depois se desculpe por seu comportamento. Ou talvez você não tenha certeza de como reagiria, e muitas pessoas se sentem assim: a maioria desses mecanismos de defesa estão escondidos em nosso subconsciente. 

As pessoas usam mecanismos de defesa como uma forma de evitar emoções difíceis, pensamentos ou partes de si mesmas que consideram inaceitáveis. Embora nem todos os mecanismos de defesa sejam “ruins” por si só, eles podem limitar seu crescimento e acesso à totalidade de quem você é. Ao compreender como eles atuam em sua vida, você pode confrontar o seu lado obscuro e, como resultado, ter mais controle sobre suas reações.

O Eneagrama ajuda a conhecer e entender as estruturas do nosso ego, em que os mecanismos de defesa nos mantêm presos. É uma ferramenta maravilhosa para cultivar a consciência de seus padrões de defesa.

Cada tipo tem um medo fundamental que os limita. Cada tipo também pertence a um Centro de Inteligência com uma emoção comum – medo (eneatipos teóricos), vergonha (eneatipos emocionais) e raiva (eneatipos instintivos). Embora os humanos sejam seres complexos e usem uma variedade de defesas, cada tipo tende a se inclinar para uma defesa primária, considerando como sua emoção comum e seu medo central são expressos. Em seguida, é usado como uma estratégia de enfrentamento para minimizar a ansiedade, raiva ou tristeza indesejadas.

Descubra abaixo o mecanismo de defesa associado aos eneatipos, bem como uma sugestão de estratégia de como redirecionar esses padrões para viver sua essência.

 

Tipo Um, o Perfeccionista: reação calculada

Alguns trabalham para evitar a raiva, que consideram “errada” ou “má”, por meio do cálculo de reações. Isso significa agir da maneira exatamente oposta à qual eles pensam ou sentem. Por exemplo, se eles acham que seu novo colega de trabalho é uma ameaça, em vez de questioná-los ou não gostar deles, eles se esforçam para ser gentis com eles.

Esta é a tentativa do Um de controlar a raiva e a ansiedade. Alguns têm um forte crítico interno que os repreende por pensamentos, sentimentos ou ações que vão contra o que pensam que “deveriam” ser. No entanto, quando não estão cientes dessa defesa, podem interiorizar ainda mais a raiva e se tornar reativos e críticos quando ela finalmente vier à tona.

 

Como trabalhar com a reação calculada:

  • Processo verbal: quando se verbaliza sobre algo, as reações são mais compreendidas. Observe: está se contradizendo, transitando entre elogios às críticas sobre alguma coisa?
  • Observar o corpo – como um tipo instintivo, o Eneatipo Um armazena muita tensão no seu corpo. Percebe ombros tensos, mandíbula cerrada ou uma sensação estranha no estômago? Esses sinais podem identificar como realmente se sente.
  • Fazer as pazes com o crítico interior:  Notar que está se exaltando e explorar todas as emoções subjacentes que estão conduzindo os pensamentos (crítico interior).

 

Tipo Dois, o Prestativo: repressão

O Tipo Dois trabalha para manter a imagem de ser útil por meio da repressão de suas necessidades e sentimentos pessoais. Isso pode ser extremamente difícil de reconhecer, uma vez que é um bloqueio inconsciente de emoções, desejos, medos e necessidades de entrar em sua consciência. Seu cérebro consciente decide que é mais fácil “esquecer” essas coisas de uma vez, para que não pareça carente.

Mas a questão é que o Eneatipo Dois não esquece. Ele se apega às memórias e expressa sua ansiedade buscando garantias e validação de outras pessoas, ao invés de investigar as suas necessidades. 

 

Como trabalhar com a repressão:

  • Fazer check-ins diários. Pergunte-se o que precisa mais, não o que pode deixar de lado. Se nada vier à mente, continue se perguntando. Entre em sintonia com o corpo e veja se consegue captar alguma pista. 
  • Reserve um tempo para si pelo menos uma vez por semana para processar pensamentos e emoções longe de todos.
  • Observar quando está precisando de mais segurança e o que isso pode dizer. Ao mesmo tempo, pergunte-se o que pode estar deixando-o de mau humor ou a beira de um ataque de nervos? Ambos são indicadores de um desejo não atendido.

 

Tipo Três, O Empreendedor: Identificação 

O Tipo Três deseja manter uma imagem exemplar de sucesso. Quando sentem que essa imagem está ameaçada, inconscientemente adotam as características ou atributos de alguém que admiram como se fossem suas. Isso é chamado de identificação. Um exemplo de como isso pode acontecer é um empreendedor que está lutando para começar a fazer amizade com alguém que considera bem-sucedido e modelar seu comportamento em seu próprio negócio.

E, muitas vezes, fazem isso sem perceber. Isso porque pode ser muito doloroso para o Tipo Três lidar com a rejeição que pode enfrentar por ser ele mesmo. No entanto, se não estiverem cientes, podem continuar mudando de identidade e personalidade sem nunca descobrir o poder de seu verdadeiro eu.

 

Como trabalhar com a identificação:

  • Observe como o medo do fracasso influencia suas decisões, comportamentos e pensamentos. Use isso como uma oportunidade para ver se existem sentimentos mais arraigados. 
  • Pare de comemorar o que faz e, ao invés disso, comemore quem é além de suas realizações. Explore seus valores, ideais e outras áreas de interesse para fundamentar seu senso de autoestima.
  • Respiração profunda: observe a energia motivadora entrar em ação e permita-se desacelerar, respirar e observar antes de seguir em frente. Afirme que está exatamente onde precisa estar.

 

Tipo Quatro, O Individualista: Introjeção

O Tipo Quatro evita a banalidade por meio da introjeção, para atender o desejo de manter um senso único de identidade. Este é um mecanismo de defesa contra-intuitivo, onde ele internaliza feedback negativo e absorva as crenças de alguém que tenha poder sobre ele. Por exemplo, se um pai o critica por uma decisão pessoal que foi tomada, levar isso a sério, pensar que fez a escolha errada e se culpa.

Ao mesmo tempo, os dados positivos são rejeitados. Isso o mantém preso no padrão Quatro de acreditar que algo dentro dele está faltando ou é deficiente. É mais fácil lidar com os danos causados ​​a si mesmo do que enfrentar a rejeição ou a situação em questão. 

 

Como trabalhar através da introjeção:

  • Desenvolver o hábito positivo de falar consigo mesmo. Isso aumenta o senso de autoestima e também pode facilitar ao lidar com sentimentos dolorosos.
  • Observar como tende a se culpar e se concentrar nas partes “danificadas” de si mesmo. Comece a comemorar seu progresso, vitórias e partes incríveis que o tornam “você”.
  • Quando você estiver sobrecarregado com feedback ou emoções negativas, tentar uma prática de respiração onde possa observar e abrir espaço para seus sentimentos. Reservar um momento para senti-los realmente e, em seguida, deixe-os ir a cada expiração, sabendo que eles não o definem.

 

Tipo cinco, o Investigador: isolamento

Cincos usam o isolamento como uma forma de proteger seus recursos internos e evitar sentir-se esgotados. Isso pode ser isolar-se fisicamente ou afastar-se mentalmente de seu mundo emocional. Ao separar seus pensamentos de seus sentimentos, eles permanecem racionais e adquirem conhecimento como uma forma de sentir uma sensação de segurança e autoestima.

No entanto, isso também pode impedir o Cincos de desenvolver a conexão e o envolvimento de que precisam com os outros, bem como consigo mesmo.

 

Como trabalhar com o isolamento:

  • Observe quando está se afastando com mais frequência, física ou emocionalmente, e identifique os gatilhos. Existe algo mais enraizado que precisa explorar?
  • Saia um pouco da cabeça e sinta o corpo com o movimento diário: pode ser uma caminhada onde se concentra na respiração e no momento presente.
  • Conecte-se com outras pessoas: converse sobre o que está sentindo com alguém de confiança ou converse com seus entes queridos com mais regularidade. Isso pode parecer contra intuitivo, mas descobrirá uma fonte de energia quando fizer isso (é claro, pode e deve reservar um tempo para recarregar depois!).

 

Tipo seis, o Cético: projeção

O oposto da introjeção, o Tipo Seis usa a projeção como forma de evitar a rejeição e manter sua imagem de lealdade. É a projeção de seus próprios pensamentos, emoções, comportamentos, inseguranças ou motivações em outras pessoas. Embora isso possa ser positivo ou negativo, é uma maneira inconsciente de o Tipo Seis lidar com sua ansiedade criando um senso de certeza e minimizando situações potencialmente ameaçadoras. Um exemplo disso é ir a uma festa e não conhecer ninguém. Você acha que todos estão criticando você por estar sozinho, quando na verdade você está projetando sua própria insegurança vindo de outras pessoas.

O irônico é que, embora a projeção seja uma defesa para difundir a ansiedade, ela pode realmente aumentar os níveis de ansiedade quando a mente se torna hiperativa com possibilidades e situações que podem nem mesmo ser verdadeiras. 

 

Como trabalhar por meio da projeção:

  • Observe a ansiedade a partir da mente e corpo. A cabeça gira e coração dispara? Reconhecer gatilhos pode ajudar a minimizar os padrões de projeção em potencial.
  • Entenda a raiz de ansiedade. A dúvida e a preocupação são emoções familiares, mas de onde realmente vêm? É frustração, tristeza ou outra coisa que precisa ser explorada?
  • Definir limites. Muitas vezes pode se sentir obrigado a fazer tudo, o que pode gerar ansiedade. Proteger espaço, tempo e energia pode diminuir a reatividade e níveis de estresse.

 

Tipo sete, o Entusiasta: racionalização

O tipo Sete está alegre, otimista e quer manter sua disposição lá no alto. Se isso for ameaçado, eles usam a racionalização para evitar lidar com a dor. É a tendência de explicar ou justificar seus pensamentos, sentimentos e comportamentos inaceitáveis ​​como forma de evitar suas verdadeiras emoções. Visto que o Sete deseja sempre passar a imagem de que tudo está bem, ele usa a racionalização como um reenquadramento positivo das situações. Por exemplo, digamos que eles estejam atrasados ​​para uma reunião importante.

Ao invés de assumir o controle, um Sete pode justificar seu comportamento explicando que teve uma nova ideia ainda melhor do que a original. A racionalização os mantém presos em suas cabeças, enquanto evita sentimentos de ansiedade, tristeza, raiva, culpa ou desconforto.

 

Como trabalhar com a racionalização:

  • Observe a tendência de reformular as situações sob uma luz positiva. Não é ruim enxergar o lado bom das coisas, mas isso também pode ser uma indicação de que há algo escondido sob a superfície.
  • Saia um pouco da cabeça e entrar no corpo com caminhadas diárias, nas quais se concentra no estado interno ao invés de estímulos externos. Estar ciente de quais emoções surgem e reservar um tempo para explorá-las!
  • Mantenha-se no presente: tende a confiar no planejamento futuro como escapismo, mas ficar presente permite que filtre os pensamentos e sentimentos para que possa se sentir satisfeito do jeito que é.

 

Tipo Oito, O Desafiador: Negação

O Tipo Oito quer ser visto como forte, então ele usa a negação como uma forma de evitar a vulnerabilidade. Essa é uma maneira inconsciente de lidar com a ansiedade ou a dor, em que, ao invés de vivenciar uma situação, você se recusa a reconhecê-la completamente. E o mais importante, aos pensamentos e sentimentos intensos que ela traz. Digamos que um Oito briga com um amigo próximo. Ao invés de confrontar a gravidade disso, eles podem negar a dor, que é então expressa por meio da raiva, expansividade e fazendo outras coisas para se manterem  “ocupados”.

Tipos Oito são muito cautelosos e não confiam facilmente como forma de evitar se machucar. Ao negar a realidade de uma situação, ajuda a minimizar a gravidade dela ou mesmo admitir a responsabilidade por ela. 

 

Como lidar com a negação:

  • Observe como quanto mais aumenta a energia instintiva do corpo, mais se distancia das emoções. Usar essa consciência como um sinal para verificar o que está sentindo por trás da raiva.
  • Reformule a maneira como vê a vulnerabilidade:  e se considerasse a exibição de emoções uma força, não uma fraqueza?
  • Estar ciente de como pode externalizar a culpa, seja ela dirigida a outras pessoas ou algo fora de seu controle. Parar, respirar e ponderar se está evitando algo que esteja por baixo da superfície. 
  • Explore medos: pode ter medo de enfrentar um problema e nem mesmo saber disso, e é por isso que reconhecer o medo pode ajudar.

 

Tipo Nove, O Pacificador: Entopercimento

O Tipo Nove deseja manter um senso de equilíbrio interno, usando o entorpecimento para lidar com situações estressantes. Este é o ato de “entorpecer” com atividades rítmicas familiares como forma de evitar sentir dor ou ansiedade. Pense em alguém tendo problemas com os limites dos companheiros de quarto, por exemplo. Em vez de abordar o assunto diretamente, um Nove pode passar mais tempo com outros amigos ou escolher um novo hobby para se manter ocupado.

Qualquer atividade habitual, seja trabalho, tarefas domésticas, comida e bebida ou entretenimento, permite que o Tipo Nove “adormeça sozinho”. É evitar o conflito, interno ou externo, que faz com que o Tipo Nove perca a conexão com suas identidades. 

 

Como trabalhar com a narcotização:

  • Observar quando e com que frequência recorre a atividades rítmicas para desabafar e explorar o que pode estar evitando.
  • Fique confortável com a raiva: pode ser um caminho poderoso para compreender os verdadeiros desejos e necessidades, explorando emoções mais profundas. 
  • Assumir uma posição e afirmar com mais regularidade. Podem ser pequenas decisões diárias ou lidar com um conflito. Adquirir o hábito de falar abertamente o ajuda a ficar mais conectado consigo mesmo e a evitar evitá-lo.

Fonte: truity.com


O sistema de personalidade do Eneagrama oferece uma ampla guia para personalidades específicas de tipo e seus associados pontos fortes, limitações e crenças fundamentais. Clique aqui e conheça mais sobre o curso.