Treine seu cérebro e pare de surtar durante a pandemia

Vamos encarar os fatos: estamos estressados. A incerteza e as constantes ameaças à saúde que surgiram com a pandemia de coronavírus prejudicaram nossas vidas.

Talvez precisemos de duas vacinas: uma para nos proteger contra o coronavírus e outra contra os efeitos tóxicos do excesso de estresse. Será que podemos treinar nossos cérebros para impedir que esse estresse se instale? E também para que possamos nos recuperar mais rapidamente da crise e até colher momentos de sabedoria com a experiência?

Sim, podemos. Os achados neurocientíficos apontam para os circuitos reativos ao estresse no cérebro emocional como um gatilho do estresse tóxico. Esses circuitos são feitos de neurônios que possivelmente nos orientam a responder de maneira ineficaz ao estresse. Uma vez acionados, eles desencadeiam uma reação que leva ao estresse. Ao invés do cérebro orquestrar uma sinfonia de processos de auto-regulação e moderação eficazes, acontece a desregulação, que pode causar estresse crônico e problemas de saúde ligadas aos campos emocional, comportamental, social e físico.

Uma nova crise na saúde emocional

Os cientistas vêm explorando essas questões há mais de um século. Cerca de 100 anos atrás, o psicanalista Sigmund Freud especulou que os caminhos do cérebro causavam problemas emocionais e comportamentais. Tom Insel, enquanto era diretor dos Institutos Nacionais de Saúde Mental de 2002 a 2015, propôs a união da psiquiatria com neurociência para se concentrar em circuitos defeituosos. A iniciativa BRAIN da Casa Branca, lançada em 2013, tem mapeado ativamente os bilhões de neurônios do cérebro e suas conexões para melhorar a compreensão e os tratamentos de vários distúrbios.

Então veio o COVID-19 e, de repente, 70% da população dos EUA foi identificada como moderada a severamente angustiada em um estudo nacionalmente representativo em abril. Essa taxa era de 22% apenas dois anos antes.

Com uma crise de saúde emocional, as pessoas podem se beneficiar ao aprender a cuidar desses circuitos reativos ao estresse e desligar a cascata química do estresse tóxico que eles ativam.

Compreendendo o cérebro emocional

A maioria de nós não sabe que os circuitos neurais em nosso cérebro emocional, o sistema límbico e os sistemas de memória subconsciente são os principais controladores de nossas respostas emocionais na vida cotidiana.

Quando um estímulo chega ao cérebro, ele pode ativar dois circuitos diferentes: os circuitos resistentes ao estresse, os acalmadores e curadores internos; ou os circuitos reativos ao estresse, os agitadores que nos levam ao estresse tóxico.

O cérebro ativa o circuito mais forte, aquele que controla nossas respostas. Se ele desencadeia um circuito reativo, desencadeia emoções fortes que são difíceis de processar, principalmente porque o estresse compromete o funcionamento da parte de nosso cérebro responsável pelo pensamento e pelo planejamento de nível superior. O cérebro luta para desembaraçar essas emoções presas e ficamos estressados.

E o que é pior, quanto mais tempo esses fios reativos ao estresse forem ativados, maior a probabilidade de ativar outros fios reativos ao estresse. Um circuito pode desencadear outro e outro, o que pode causar um colapso emocional de ansiedade, torpor, depressão e hostilidade, que podem nos sobrecarregar por horas ou dias.

Esses circuitos problemáticos reativos ao estresse são formados durante experiências adversas na infância e em experiências posteriores de sobrecarga de estresse. O isolamento social, a incerteza financeira e ameaça à saúde fortaleceram esses fios defeituosos, transformando a crise da pandemia em uma incubadora para deixar nosso cérebro ainda mais reativo e nos preparar para uma crise na saúde emocional.

Como reprogramar o cérebro estressado

Os circuitos de estresse no cérebro emocional mudam através da neuroplasticidade de acordo com a experiência a que está sendo submetido. O cérebro aprende a ser resiliente por ser resiliente. É preciso ficar estressado e depois usar técnicas emocionais para descobrir e mudar as expectativas irracionais e os impulsos indesejados armazenados nesse circuito.

Temos um exemplo de como fazer isso: primeiro, reclame brevemente sobre o que está incomodando. Por exemplo: “Não consigo parar de me culpar por todas as coisas que fiz de errado”. Isso ativa o circuito reativo que codificou uma resposta defeituosa e possibilita a religação.

Em seguida, expresse emoções rapidamente. Comece com uma explosão de raiva, que diminui o estresse e evita que o “cérebro racional” estressado fique preso na ruminação. Observe que você pode estar focado em suas emoções negativas fortes e estimuladas pelo estresse, que fluirão rapidamente. Você pode se convencer através deles terminando frases como “Estou triste por …”; “Eu tenho medo disso …”; ou “Sinto-me culpado por …”

Essa simples liberação emocional pode aliviar seu estresse, e a expectativa irracional anteriormente inconsciente codificada no circuito aparecerá em sua mente consciente. Com o fio desbloqueado, você pode mudar o seu pensamento negativo para um mais positivo. Por exemplo, altere “Construo minha segurança sendo duro comigo mesmo” para “Construo minha segurança sendo gentil comigo mesmo”. A unidade indesejada que aumenta o seu estresse diminui.

Em passos pequenos, mas importantes, para liberar o estresse dia a dia, você treina seu cérebro para ser mais resiliente.

Resiliência ao estresse como responsabilidade social

As pesquisas mostram que as emoções transmitidas durante um diálogo com outras pessoas podem eventualmente se tornar emoções de grupo em larga escala. Podemos espalhar o estresse para os outros. Assim como o fumo passivo, o estresse passivo está se tornando uma preocupação.

As pessoas vinculam o estresse à responsabilidade social com uma certa facilidade. Um executivo de uma empresa de tecnologia disse: “Controlar o meu estresse é bom para mim, me impede de deixar a minha família estressada e é algo que faço em prol de todos. Estamos todos estressados e quero fazer parte da solução. ”

Resiliência ao estresse para melhorar a saúde

Embora a sobrecarga de estresse seja causa de muitos problemas de saúde, o modelo atual de tratamento dos sintomas de estresse, em vez de religar a resposta de estresse do cérebro, não é sustentável.

Em algum momento, o vício da assistência médica em usar medicamentos e procedimentos para tratar os problemas de saúde causados ​​pelo estresse exigirá desintoxicação. Existe uma tendência crescente em treinar o cérebro emocional para ser mais resiliente.

Se pudéssemos reiniciar nossos cérebros para os tempos de estresse excessivo em que vivemos, praticamente todos os aspectos da vida melhorariam. A resiliência pode fornecer uma rede de cuidados à saúde que tem se mostrado muito necessária nos últimos tempos.

Fonte: The Conversation


Para você que precisa aprofundar o entendimento sobre as emoções e a cognição humana a partir de uma perspectiva neurocientífica, o curso Imersão em Neurociência é imperdível! 

neurociencia
Conheça mais sobre o curso clicando aqui!